26 julho 2008

Cultivando amigos


O fim das férias está chegando. E nesses últimos dias, tenho aproveitado bastante. Recebi amigos aqui em casa para ver filmes, na última terça. Viramos a noite, foi bem legal, apesar de o primeiro filme ter sido meio monótono, e no segundo eu ter cochilado em algumas cenas :X
A parte melhor é conversar. Estamos mais entrosados. As pessoas que vieram são muito especiais, já tem um certo tempo que marcamos encontros esporádicos, e o silêncio geralmente reinava entre nós, por longos e intermináveis momentos. Aquilo me incomodava um pouco, apesar de ser uma apreciadora fiel da ausência de ruídos, naquelas circunstâncias, tornava-se um tanto constrangedor. Amanhã haverá outra reunião, para comemorar o aniversário de um dos meninos. Vamos comer pizza! \o/ E depois ficaremos um tempo na ponte metálica, ou andando pelo dragão do mar. É incrível como eu gosto daquelas pessoas. Nem sempre podemos nos ver, moramos meio longe, e todos temos compromissos no dia-a-dia. Com o fim das férias, isso vai piorar, e só lamento, pois adoro estar perto deles.

Outro grupo de amigos que estou muito próxima são dois garotos que estudaram comigo no 3º ano do Ensino Médio, lá no Colégio Sete de Setembro. Na época da escola, mal nos falávamos. Mas aí apareceu o orkut em minha vida (¬¬''), reencontrei o pessoal, e com o tempo me veio a idéia de reunir todo mundo de novo, certamente teríamos muito papo para colocar em dia. O que eu não podia imaginar é que quase toda a galera que também queria muito fazer esse reencontro não podia ir nos locais ou nos dias que eu e mais dois amigos planejávamos. Então, eu chamei só alguns poucos, mais íntimos, para fazer a prévia do encontro. E apenas dois dos convidados compareceram. A partir daí, descobri nesses dois garotinhos um bom humor incrível, e notei que havia muita sintonia entre nós três. Ficamos a noite toda conversando na praça verde, e não tardou para que eu os convidasse à minha casa, para vermos filme. Eles vieram, e nossa sintonia só cresceu. Me diverti horrores - eles são engraçados demais da conta! Depois, decidimos qual seria o dia ideal para haver o grande reencontro da turma do 7. Ficou marcada uma quinta-feira, na praça verde mesmo. Muita gente foi convocada, e a galera se mostrou empolgada pra caramba. Então, eu combinei com os dois garotinhos para chegarmos meia hora mais cedo. Daí, nos encontramos no local, e já começamos a nos aquecer, por assim dizer. ^^ Quando nos demos conta, já havia passado mais de uma hora, e ninguém havia chegado ou telefonado. Esperamos ainda por mais 40 minutos, e nada. Um dos meninos estava com fome, e resolvemos lanchar. Afinal, o reencontro seria apenas de três amigos (os que realmente quiseram que aquilo acontecesse). Na hora do lanche, uma comédia só! Eu mal conseguia deglutir o misto quente, de tanta vontade de rir. Eles não paravam de fazer graça. E até mesmo quando tentavam ficar sérios, o riso vinha do nada, e os três patetas se controlando para tentar comer em paz. Foi bem legal, como sempre é quando estou com eles.
Na próxima semana - que será a despedida das férias -, iremos ao cinema.

Amigos são essenciais em nossas vidas, sem eles, somos pouco demais.

Eles nos aconselham, nos fazem rir, nos contam causos hilários e também riem (forçadamente) das coisas que contamos tentando parecer engraçados (eu já estou desistindo, não consigo ser engraçada...).

É bom demais estar com eles, me sinto feliz. Desejo aos meus amiguxos o melhor que a vida pode oferecer.

^^



08 julho 2008

Ele.



Ele é aquele por quem tenho esperado tantos anos.
É aquele por quem sinto um carinho imensurável, e não sei explicar como posso me preocupar tanto, se mal o conheço.
O modo de andar, de falar (que voz...), de sorrir.
O que ele tem que nenhum outro tem?

Ele nunca segurou minha mão, nunca alisou meu cabelo, nunca tivemos uma longa conversa a sós.
Sei tão pouco sobre ele... Isso me angustia, me deixa ansiosa por novos encontros.
Quero estar perto dele, mas não sei o que ele irá pensar. Talvez eu seja vista apenas como amiga, e não quero estragar tudo. Preciso conquistá-lo. Preciso mostrar que ele tem um valor inestimável (como ninguém vê isso??). Ele é tão especial...

Preciso fazê-lo me notar... É mais que um capricho, um encantamento passageiro. É uma necessidade vital.


Consegue entender isso? Tem alguém que pensa em você, querido. Alguém que sabe o valor que você tem, que reconhece seus esforços, seus talentos. Dê uma chance a si mesmo. Acredite, podemos ser felizes juntos.