26 outubro 2008

Planejando o amanhã



Não tenho escrito com muita frequencia, e isso é um mero reflexo da desordem que anda minha vida. Tenho tanto a dizer, a comentar... Deixei passar alguns acontecimentos que me pareceram relevantes e agora eles já se tornaram não necessários (ia comentar sobre as eleições, por exemplo, mas deixa pra lá. Também pensei em dizer algo sobre as mudanças que ocorrerão na ortografia da língua portuguesa, e isso é uma coisinha que ainda me atormenta... Viram que eu escrevi frequencia sem o trema, né? Pois é, eu olho para a palavra e ela parece tão errada... Mas enfim... Questão de hábito, preciso me acostumar com as novas regras.... Todos precisamos, aliás).
Pois bem, decidi fazer diferente hoje. Antes de tudo, quero agradecer aos poucos - mas fiéis - leitores que tenho =') (Pelo menos os que costumam comentar no meu blog, porque os que não comentam não tem como eu saber que leram... 8-)

Ivo, Luquitos, Elson, Diego, Pedro (descobri através do comentário no último post e fiquei contente, viu, Pedrito? Brigada pela força). A Sam, linda flor, também costuma passar por aqui, uma honra pra mim. Tem também o JP, menino muito especial... O meu amado Brux... Enfim, melhor parar de citar... xD
Agora, com os agradecimentos feitos, queria ser meio metódica com essa postagem - e espero não ser chata o suficiente para que parem de ler antes do fim. Entendam, eu preciso ter algo organizado. Nem que seja meu blog. '-' Algumas pessoas já sabem, outras não. Ultimamente tenho levado esse plano muito a sério, correndo um grande risco de não obter êxito se não com um esforço quase hercúleo... Mas vou tentar ajudar a esclarecer as coisas para quem ainda não conhece muito sobre a carreira diplomática. Sim, é esse o plano da minha vida: ser diplomata! (Como pude demorar tanto a explicar?? ¬¬)

Bom, vamos lá.

Em primeiro lugar: Por que a Mara, estudante de Publicidade, decidiu ser diplomata?

É, eu sempre senti fascínio pela carreira, mas confesso que, quando piveta, não tinha a menor idéia do que se tratava. Acho que o nome me atraía, sinceramente não sei porque queria ser diplomata sem ter muita noção do que um profissional dessa área fazia, mas eu queria sim. Só que a vontade não foi muito duradoura, afinal, eu era uma criancinha feliz, que queria ser tudo, achando que qualquer coisa que eu escolhesse seria realizada. Eu não fazia idéia do terror que é o Vestibular, ninguém me contava essas coisas. Meu pai enchia minha cabeça dizendo que eu deveria escolher Direito, e então eu acatei. Mais uma vez sem entender patavinas das funções de um bacharel em Direito. Até que, um belo dia (e quente, já que moro em Fortaleza, então isso deve ser salientado), me vendo na situação super estranha de escolher um curso para tentar passar na Federal, escolhi Publicidade! Eu decidi na pura sorte, acreditem. Quase um auê aqui em casa, porque não fazia muito sentido escolher esse curso sem saber como era o mercado na cidade, se eu teria chances de emprego e blá blá blá. Sei que eu gostava de alguns comerciais, me 'achava' (isso, não acho mais) criativa e então parecia o curso ideal. O primeiro semestre foi mais ou menos, passei por uns traumas, quis desistir, jogar tudo pro alto e tentar Letras/Francês. Repensei, voltei pro curso - que já havia feito por 1 ano e meio - e consegui continuar na faculdade com minha bolsa integral. Numa bela noite, fui apresentada a um amigo de uma amiga. E, de repente, ele diz que vai à África, ficar lá por dois anos. Então eu pergunto a razão e ele responde: Vou a trabalho. Eu, maravilhada, pergunto: Qual sua profissão? Aí veio a resposta que, instantaneamente, me fez brilhar os olhos e gerar um leve furacão em minha barriga:
Sou diplomata!

Sim, eu fiquei admirada, e na mesma hora comecei a encher o pobre com perguntas. Dentre todas, uma me chamou a atenção: Para passar no concurso, estude muito, não não, estude mais que isso. Dê tudo que puder, deixe de viver, de ter vida social, deixe tudo pra lá, pois mais nada importa que passar. Tenha fé também. É bom rezar e contar um pouco com a sorte, porque não é nada fácil...

Falando um pouco sobre o concurso para carreira diplomática:
Esse rapaz passou no concurso na segunda tentativa, é graduado em ADM pela UFC. Para ser diplomata não existe restrição quanto ao curso superior, mas precisa necessariamente ser um curso reconhecido pelo MEC, claro. O inglês é obrigatório - como um dia já foi o francês. Já não há mais prova oral, no entanto o inglês do candidato precisa ser impecável, acima da média de um americano comum, por exemplo. As outras disciplinas cobradas na prova são: Português, História, Geografia, Noções de Economia, Noções de Direito e Direito Internacional Público e uma segunda língua estrangeira, entre o francês, espanhol, alemão, mandarim, japonês, árabe. Vou ficar com o meu magnifique français, comme tout le monde sait, n'est-pas? =) A prova é constituída de 4 fases, que duram alguns meses para terminar. Essa parte é meio chatinha de explicar e um pouco longa, então, vou deixar aqui um link para os mais interessados:

FAQ Itamaraty

Trata-se de uma super explicação sobre o concurso, com as dúvidas mais frequentes e curiosidades. Eu já li todinho algumas vezes '-', e ainda não cansei. Vivo indicando para alguns interessados, porque dificilmente eu poderia explicar melhor que o autor desse FAQ (Frequently asked questions), o Renato Godinho - que é diplomata. E como ele não autoriza a reprodução parcial do conteúdo, indico o link para que vocês tenham acesso à página na íntegra. Só precisa ser levemente atualizado quanto ao salário, já que neste ano - 2008 - a lei do aumento salarial para diplomatas finalmente foi aprovada, sendo agora o inicial, para o terceiro secretário, de aproximadamente 10 mil reais. Quem tiver interesse, recomendo que salve esse FAQ nos favoritos e leia um pouquinho quando tiver sem muito o que fazer. É capaz que vocês se interessem tanto pela carreira que adotem esse sonho também. =)
Quando a Mara pretende começar a estudar com afinco para o concurso do Itamaraty?Essa é, definitivamente, uma das coisas que mais me aflige. Não apenas porque eu optei por demorar mais tempo na faculdade (ao invés de terminar em 4 anos, vou terminar em 5, em dezembro de 2010), mas porque eu sei que com minha formaçãozinha no curso de inglês do Imparh não dá para chegar nem perto do nível exigido na prova. Eu já andei olhando, e é incrivelmente hard! = Como se não bastasse, não sei praticamente nada de Economia e Direito. E Geografia e História nunca foram minhas matérias preferidas... Vou ter que começar a estudar dos primórdios, porque lembro de tudo muito vagamente. A única que me alivia mesmo é o português, mesmo sabendo que o que eles exigem é meio erudito, super formal e talz, é uma disciplina que eu amo, sem limites. Amo também o francês, e o nível não é dos mais cruéis, pelo menos na prova deste ano estava um nível que, creio, com a formação na Casa de Cultura é possível encarar tranquilamente. Em outras palavras, eu preciso melhorar só tudo. E, no momento, eu não tenho estudado nada de Direito e/ou Economia e/ou História e/ou Geografia O.o' Can you see my situation?Mas não é por preguiça, TÁ? i.i É porque realmente eu não sei por onde começar, e nem tenho todo tempo do mundo para isso, acho até que não é absolutamente errado deixar para começar a estudar pro concurso só qdo estiver graduada... Ou é?? >.<>À la vonté! =D~~ Ok. Esse post tá grandão, é chato ficar lendo essas coisas que não são exatamente do nosso interesse, eu sei. E ainda me sinto insatisfeita com o tanto que escrevi, porque quero escrever muito mais. Dedos nervosos, cabeça à mil. @@' Mas acho sensato parar um pouco, ler os comentários de uns e outros e depois eu continuo com a minha explanação. Ou não. Provavelmente, falarei em outro post sobre a oportunidade super legal de trabalhar e estudar no exterior, ganhando dinheirinho e conhecendo lugares incríveis... Outro plano que tenho para minha vida - antes de ser diplomata: ser au pair! Quero compartilhar isso com vocês. Adoro falar sobre essas coisas =3

Fico por aqui.

Abraço de urso em vocês! o/

04 outubro 2008

E a topic bateu no ônibus


Era meio-dia e eu voltava estressada do North shopping, após passar quase 40 minutos na fila do caixa das Lojas Americanas ¬¬'. Absuuurdo! Só tinha duas mulheres atendendo... Francamente... Fiquei muito aborrecida. Mas enfim, compra efetuada, saio do Shopping e pego a topic que me levará para casa.
Exatamente aquela topic, menos de um quilômetro depois, bate em um ônibus. A freiada do motorista foi tão brusca, que um pobre garotinho, não fosse a catraca, iria bater no pára-brisa do veículo. Confesso que foi muito engraçada a reação dele. Fez uma careta de dor e susto que merecia uma foto :X. Mas... Tadinho, fiquei com pena também.
O curioso é que nessas horas, quando acontece algum acidente ou qualquer coisa que nos chame a atenção, de repente, todos que estavam silenciosos começam a interagir entre si. E é nesses momentos também, que surgem os especialistas! Isso mesmo, aqueles que vão comentar o ocorrido, sempre com um ar de "Eu sei do que estou falando". Um homem lá repetiu várias vezes: "Só bateu porque a pista estava molhada, se não tivesse, não ia bater..." - Tinha chovido pela manhã, de fato. Mas o engraçado é que esse homem rebatia tudo que diziam, sempre falando que 'se não fosse a pista molhada...' Eu mesma comentei que a topic estava indo muito rápido, mas ele sempre queria dar a última palavra, então me calei. Querer ter razão com uma coisa tão banal dessas, sinceramente, nem sei o que dizer. Outro senhor complementou que o ônibus é que estava errado, pois entrou na frente da topic bruscamente. E eu passei a concordar silenciosamente com tudo que diziam, só para não ser rotulada de chata.
Quem sou eu para querer ter razão? Apenas uma jovem de 20 anos, que não sabe das coisas. É isso que eles pensam de mim, com o atenuante de estar vestindo roupas incomuns e ter o cabelo 'diferente', coisa de gente doida que não tem o que inventar. XD~~


Yeah!

No fim das contas, chegou outra topic e mó galera foi nela, extremamente lotada, com pessoas penduradas na porta. Eu preferi não ir, e esperar outra com mais vagas. Então, o cobrador entregou ao motorista do bus R$ 30,00, pelos danos causados pela batida, e então o pessoal que esperou, pôde voltar pra casa numa topic que não parava aos sinais de passageiros em potencial e corria com muita cautela. Ficou tudo bem. Abraço a todos!