06 julho 2009

Até a vista!

Essa é a minha despedida, por tempo indeterminado. Logo estarei indo ao Hospital Geral César Cals (HGCC) e vocês já sabem o resto.

Essa semana que passou foi cheia de acontecimentos, parece que alguém estava querendo me testar com o último deles, estou até agora com os olhos inchados de tanto chorar.
Mas vou falar dele por último.

Domingo, o preenchimento de um dente meu acabou caindo quando eu passava o fio dental. Não era uma obturação não, viu? u.u Era um dente meio quebrado, desde a infância e talz..
Aí eu fui hoje de tarde ao dentista para ajeitar isso.

Acabei tendo uma boa surpresa, conheci uma moça muito especial que tem feito meus dias mais luminosos desde que passou a me mandar umas belas mensagens de força e apoio.
E ainda ganhei um livro muito show, A Cabana, que já comecei a ler e estou gostando muito. =)
___

Foi no domingo, também, que aconteceu uma coisa muito chata.
Aqui em casa, antes da porta de entrada, tem uma varanda onde o Jake (meu gato preto) adora ficar, inclusive ele faz o maior malabarismo para ficar entre a parede e uma bicicleta velha que ninguém mais usa. O bichinho fica todo espremido, contorcido. O aro do pneu da bike enchendo seu pêlo de teias de aranha. Mas, não sei porque, ele sempre gostou de ficar ali.
Então, como sempre, lá estava ele. Eu e a Swu conversávamos na sala quando ouvimos um miado muito sofrido.
Na mesma hora pensamos que era uma briga entre meus cats e uma gata siamesa que vem da rua e vive perturbando a paz deles, ela é tão safada que até o banheiro deles (caixa com areia) quer usar!
A Swu pediu para eu não ir (eu não posso ter muitas emoções e talz.. Vocês sabem) e já foi para a varanda gritando "Sai! Sai! Sai!".
Foi quando, ao chegar, ela mudou o tom. "Jake, meu bem, para! Para de fazer isso, Jake!"

A bicicleta caiu por cima dele, esmagando a pata traseira esquerda. Quando ele tentou sair, acabou fazendo peso sobre a bike que, por sua vez, estava sobre a pata. Ou seja: seu próprio corpo estava fazendo o aro enferrujado e cortante pesar ainda mais sobre a patinha traseira.
Ele miava descontroladamente e, quanto mais se mexia, mais dor sentia.

A Swu o ajudou e levantou a magrela. Na mesma hora ele saiu mancando, passou por mim, na sala, e foi quase rastejante para a área de serviço.
Para quem não tem gatos, a explicação:
Os felinos são bichanos extremamente orgulhosos. Eles detestam quando são flagrados passando por algum apuro, por algum problema. Evitam demonstrar sofrimento, por isso se escondem.
Com o Jake, que já é o segundo susto grande que temos, pudemos perceber tal comportamento.
Ele ficou lá perto da máquina de lavar, recluso, por longas horas.
Depois, quando ninguém viu e tudo estava escuro, ele migrou para debaixo de minha cama. Ficou por ali até amanhecer.
Não comeu, não bebeu água, não usou o banheiro. =T

Quando acordei, tentei animá-lo. Coloquei a ração por perto, ele virou a cara. Tentei com a água, mas ele só molhou o fucinho e não quis mais.
Respirei fundo.
Contive minhas lágrimas.

Aí eu fui ao dentista, tive a citada alegria por lá, mas quando voltei não encontrei algo muito feliz.
O Jake estava embaixo da cama da minha mãe, e também se recusava a beber. Comeu apenas dois grãos de ração. De repente, saiu do esconderijo, ficou parado no corredor. Eu e a Swu deduzimos que ele estaria apertado, então pegamos a caixa com areia e ele usou o banheirinho. Depois se recolheu novamente.

Observando com atenção, vimos que a patinha estava inchada, além da grande ausência de pêlos no local. Mais tarde, notamos um ferimento avermelhado.

A cada mudança de posição, Jake dava uns gemidos de dor que me faziam chorar de comoção. Ele é como um filho pra mim, ele é meu filho, aliás. =T
O amo mais do que a mim mesma, é algo inexplicável.

Comecei a procurar na internet a respeito de inchaço nas patas de gatos, e o que encontrei me deixou muito preocupada.
Há risco de que ele tenha tido uma fratura grave, pelos sintomas que apresenta (não se alimenta, respiração ofegante, tremeliques). Possivelmente quebrou a pata. =\
Ainda não sabemos, só o veterinário poderá dizer.

Procuramos uma clínica 24h (porque já tinha passado do horário comercial e todas estavam fechadas), mas não achamos nenhuma por perto. Quando amanhecer, uma amiga da família e a Swu irão levá-lo a uma boa clínica veterinária para medicar.
Enquanto isso, eu e a mamis estaremos indo ao HGCC...
Não paro de pensar no Jake, minha mãe já brigou, falou para eu me acalmar. Mas eu simplesmente não consigo!
É mais forte do que minha vontade de parecer forte. O amo tanto que doi na alma.
Vê-lo sofrer é o fim, é desesperador.
Só quem ama verdadeiramente pode compreender. ='|

Já nem me importo comigo, se ele não estiver bem.

É exagero?
Talvez, mas meu amor é assim, sem limites.
___

Bom, pessoas, fico por aqui.

Quem quiser me escrever, mandar e-mails e comentários, eu lerei assim que possível.

Para um contato mais imediato, como eu já citei anteriormente: SMS.

Agradeço a todo pensamento positivo, energia boa que me mandarem, viu?
Até a vista!


Jake: meu mais puro amor.


01 julho 2009

Solidão que me cai bem

Então...

Agora já está remarcada a cirurgia, será no dia 08-07 (quarta-feira), ou seja, no dia 07 me interno lá no HGCC.

Até lá, estou proibidíssima de receber visitas, meu médico não gostou nada de saber que muita gente veio me ver... =T
Mas, não importa, já tá tudo em andamento e posso dizer que foi até legal rever o pessoal que eu não via desde antes de começar as sessões de quimio.

Aviso aos navegantes: quem não for me ver no hospital, por quaisquer razões que sejam, infelizmente devo dizer que não abrirei visitação durante meu período pós-operatório, pois quero evitar as dores que tive da última vez. Quem já foi submetido a uma operação de grande porte, como é o meu caso, sabe que falar é algo que prejudica a cicatrização e ainda facilita a formação de gases. Sem contar que qualquer entrada de ar causa dor imediata, por isso evito rir, espirrar e tossir.
______

Agora, vou escrever algo um pouco mais ácido, talvez polêmico. Vai desagradar um bucado de gente, mas isso está me tirando do sério, e olha que estou proibida (também ¬¬) de ter grandes emoções. Porém, vamos lá. Quem não compreender, não aceitar, quiser se afastar de mim porque se sentiu ofendido, whatever, só digo uma coisa: não vai fazer falta.


É inacreditável como, mais uma vez, estou descobrindo que sou incompatível com certos tipos de pessoas.

Eu não quero fazer desse momento difícil pelo qual estou passando um circo. Não quero palavras ditas da boca pra fora, afinal, palavras são só palavras, as atitudes são o que contam. E mesmo atitudes nonsense têm me irritado além da conta.
Não, não quero pessoas dizendo que me amam, que me querem bem se, na primeira oportunidade, vão voltar-se para seus próprios umbigos e dizer que o que tenho é algo banal.
Sim, estão querendo banalizar minha dor!
Estão querendo comparar isso com aquilo, aquilo com coisa pior. "Veja bem, você poderia estar bem mais debilitada."

Olha, sendo bem franca, eu sei tudo que irão dizer a meu respeito. Eu sei que eu devo erguer a cabeça e aceitar resignada essa fase de provações. É só o que eu tenho feito desde o ano passado.

Mas será que eu não tenho o direito, o mínimo direito, de chorar, de sofrer um pouco, saboreando a amargura de minha própria dor?

Não respondam. A resposta que eu quero ouvir vem de mim mesma, e eu me dou esse direito.
Enquanto eu posar de durona, um nó vai-se acumulando em meu peito e eu sei que isso um dia irá pesar mais do que hoje. Portanto, se eu quiser desmoronar, eu irei, sim, fazê-lo.

O que querem de mim? Que eu fique sorrindo o tempo inteiro para poder merecer ser chamada de forte? Cansei dos sorrisos dissimulados, ok?!
Querem que eu finja que estou adorando estas férias? Querem que eu fique respondendo a todas as mensagens, e-mails e o diabo a quatro? Mandem suas palavras de apoio, ficarei relativamente contente, mas não me cobrem respostas, nunca pararam para pensar o quanto é cansativo tudo isso? Quero fazer o que quero, poxa! Parem de me cobrar, vocês estão me sufocando!

Vez por outra, recebo alguma ligação e, no entanto, não quero atender.
Eu só quero dormir, passar o tempo. Ler, ouvir canções que me transportem para outro lugar. Ver filmes, vivenciar novas realidades. Não quero ficar todo tempo falando de mim, falando do quanto estou sofrendo.
Estou sem saco para tudo isso!

Ninguém mais do que EU sabe o que tenho passado nos últimos tempos e, antes que eu enxugue as lágrimas e resolva ir à luta, deixem-me morrer por um tempo, morrer para todos.

AS PESSOAS NÃO ENTENDEM.

Não compreendem que é a solidão que tem me caído bem, que mesmo a pessoa que mais amo - a Swu -, precisa ficar longe de mim de vez em quando para que eu reflita sozinha meus poucos segundos de escuridão. Ela é a que domina melhor a situação (não sei o que seria de mim sem essa garotinha), ela - e somente ela -, me entende e me aceita sem máscaras.
Pra ela eu não preciso fingir em nenhum instante, e ninguém imagina o quanto isso é libertador.

Quando eu retornar, serei uma nova Mara. Eu sei que muitos ficarão procurando traços da antiga Maraysa no novo ser que já está dando o ar da graça. Sinto em informar que estes muitos ficarão decepcionados, mas é um fato. Eu não quero levar a vida como eu levava antes.
E, de verdade, não tô muito preocupada com o que vão dizer. Sorry.

Estou tentando há vários dias excluir meu orkut, aliás, a Swu está fazendo isso por mim, pois pouco fico na internet ultimamente. Ela já efetuou a exclusão diversas vezes mas meu perfil continua lá, ativo.
Não sei qual o problema daquela merda, mas se alguém estiver interessado em saber o motivo do orkuticídio, digo apenas que cansei. Cansei de um monte de pessoas que estavam na minha lista e pouco ou nunca falavam comigo, sequer se deram ao trabalho de ler meu perfil para entender porque eu estava com uma foto de cabelo raspado. Jamais devem ter lido meu perfil para saber que a Casa Vida estava precisando de doações... Enfim, o orkut já havia deixado de ser uma ferramenta útil para mim e tornara-se uma dor de cabeça sem limites. Livrar-se desse problema era uma atitude no mínimo coerente. Um dia aquele perfil não vai mais existir, e espero que seja logo. Amém.





...Depois desse desabafo estou até me sentindo mais leve...