22 março 2010

Frivolidades


Fazia tempo que eu não colocava alguma foto minha. Desta vez, nenhuma antiga ou usando peruca, mas a que mais se parece comigo atualmente.
Esse cap branco eu uso taaaanto quando vou ao Instituto do Câncer que o povo lá já me reconhece logo. E vivem perguntando onde comprei. De onde veio esse, veio também um azul marinho, que sei que vou usar bastante quando tiver cabelo outra vez, porque vai dar mais volume e vai ficar mais legal. Depois vou tirar uma foto com ele pra vocês verem como tenho razão. Minha cabeça é muito achatada nas têmporas, nunca pude usar daquelas tiaras (também conhecidas como gigolés aqui no Ceará), porque sempre ficava faltando 'conteúdo' para preenchê-las. Esse bonézinho veio da Itália, ganhei de presente da minha amiga que mora lá.

Dá pra notar que estão me faltando as sobrancelhas. Onde elas costumavam existir, está um pouco esbranquiçado, porque é uma parte do corpo que não é muito afetada pelo Sol. Praticamente todos os pacientes do ICC também têm essa região mais clara que o restante da face. Eu reparo muito nas pessoas quando estou disposta. Não quando estou sob efeito das quimioterapias, elas me cansam muito, guardo energia para me levantar quando tenho que ir ao banheiro e mal, porque não sobra pra mais nada.

É legal não ter pelos nos braços, nas pernas e nas axilas, me poupa um trabalho que eu não gosto mesmo de ter: depilação. Não, eu nunca depilei os braços. Mas eles ficam mais bonitos sem a camada de pelos, isso é.
Dizem que a serventia desses pelos maledettos é amortecer pancadas. Talvez seja mesmo. Mas nem por isso as mulheres deixam suas pernas peludas para demonstrar que se preocupam muito com tal amortecimento e pouco com a opinião dos homens. A opinião dos outros (não só dos homens) sempre acaba ganhando a disputa. A perna pode até ficar com um hematoma sério, desde que esteja lisinha. He he.

Conheci uma moça no ICC que está começando o tratamento quimioterápico para Ca. de mama. O cabelo dela tá caindo, mas ela usa lenço. E no dia em que a vi, estava muito bem maquiada. Lembrei de mim, quando fiz o primeiro protocolo de quimio, no ano passado. Eu também usava lenços, passava maquiagem. Me arrumava para ficar horas sentada numa poltrona recebendo o medicamento na veia. Por quê??
Só pra depois ter o trabalho de remover a maquiagem.

Hoje em dia, mal acordo, como alguma coisa, ponho a roupa mais fácil que tiver ao alcance (geralmente a Swu que escolhe) e complemento o visual colocando o cap branco ou a boina azul. C'est fini. Depois é pegar o táxi com a mamis e ir pro hospital. É assim que as coisas são.
E no tempo que eu dedicaria me ajeitando, aproveito para ficar mais tempo deitada, observando minha mãe se enfeitar. Acho fofo vê-la aplicando a sombra e depois vindo me mostrar, perguntando se está bom. Sempre está.

Algumas pessoas dizem que não é bom deixar de lado a vaidade. Que eu não posso perder minha feminilidade só porque não estou nos meus melhores momentos. Até cílios postiços já me recomendaram utilizar. 

Eu compreendo o choque de alguns perante minha atitude tão relapsa em relação à minha aparência. Assim como percebo que outras pessoas querem me convencer de que nem tudo está perdido, que uma boa make up vai realmente elevar minha autoestima. 

Mas essas pessoas não fazem ideia do que tenho passado. Uma única sessão de QT é capaz de acabar com o ânimo de qualquer indivíduo. Se eu fico sem condições de comer, falar, andar, como poderei ter energia para me embelezar, colocar cílios postiços (que eu nunca usei na vida)?? E usar peruca todo tempo, que é mais uma dica que me deram? Aquilo esquenta e dá um trabalhão pra ficar bem colocada que não é brincadeira! 

Obrigada, mas declino dessas sugestões.

Me arrumar pra quê?

Quando eu quero variar um pouquinho, aí sim. Me arrumo dignamente. Mas dá tanto trabalho fazer essas coisas que antes eu fazia com a maior facilidade do mundo, que geralmente acho mais cômodo apenas colocar o cap e pronto!

Só esclarecendo que eu aprecio a boa intenção das pessoas que me aconselham. E eu me arrumo ainda, quando surge uma oportunidade bem vinda. 

Apenas não quero, definitivamente, me olhar no espelho e ver o caos que estou. Não é hora para pensar nos cabelos que cairam. 
Meu foco é pensar nos cabelos que ainda estão por nascer (e espero que tão lisos quanto costumavam ser). É pensar na minha cura, na minha saúde. Minha aparência física? Sim, é importante. Porém, quando eu estiver plenamente saudável para cuidar dela. 


E, a propósito, reencontrei velhas expressões faciais. É o sinal de que algo está mudando. Pra melhor.

Boa semana a todos!

4 comentários:

Elson disse...

Oi Mara, bem queria ter comentado antes no seu Blog, já que normalmente eu em menos de 24 horas, depois que voce posta algo no seu Blog comento, mas, mais uma vez a Velox, só sabe me perturbar! Estou sem net desde de sabado e sem telefone a mais de 10 dias.
Tá complicado, estou usando um computador da faculdade antes de uma prova para postar aqui, logo nessa semana tem tanta coisa para postar no meu Blog, mas não posso usar a da faculdade porque, gosto de usar no meu computador esse tipo de coisa.
Mas falando sobre a postagem, a aparência é algo mutável, podemos parecer de um jeito um dia no outro de outro jeito e assim vai.
Acho que não precisa ficar toda arrumada toda hora só quando achar que deve ficar.
Espero que esteja bem, e vou começar a projetar as modificações no meu Blog só na semana santa, mas não sei se termino tudo, tem muita coisa para fazer no Blog, vai levar um tempinho até terminar...
Beijos minha amiga adorada!

Mônica disse...

Linda! -)

Saudades!

Priscila disse...

Às vezes fico pensando no quanto somos mesquinhos e o quanto fazemos pequenas coisas estúpidas que poderiam ser evitadas. Às vezes dá vontade também de começar a vida tudo de novo pra fazer melhor e mais certinho numa segunda vez. Mas aí é que tá: além de não podermos voltar atrás, a culpa não é necessariamente da vida nem das coisas, e sim, nossa. Vejo você passando por tudo isso e ainda consegue escrever sobre o que está passando, e mais, consegue alcançar de maneira tão suave e profunda a quem está lendo.. A verdade é que não há necessidade nenhuma de você fazer isso, mas você faz, e com uma docilidade tão grande que eu sinto vergonha do quanto somos capazes de ser mesquinhos.. A gente deseja uma outra vida por tão pouco, e você, que talvez precisasse de uma outra realidade, enfrenta a sua com uma nobreza inacreditável! Não lhe desejo outra coisa a não ser vida!! Um beijo e "Alla prossima volta" ^^

Aline Moura disse...

Mara, linda! Lendo, seu texto agora lembrei de um sonho que tive com você a algum tempo. Foi muito legal mesmo. Você estava super disposta participando de uma manifestação em prol de pessoas com cancer. Você estava com o cabelo enorme, até a cintura, e ele estava super cacheado (não fique chateada, mas sonhei assim, mas estava lindo). Fiquei meio sem jeito de contar isso. Não sabia se seria legal para você tocar no assunto do cabelo. Mas foi muito legal sonhar com você. Encontrei hoje com a Alexandra que fez o primeiro semestre da Casa de Cultura com a gente. Ela perguntou por você. Queria saber como você estava. Falei só o pouco que eu sei. Gostaria de poder conversar com você. Saber mais como você está. Não sei se é possível... Mas qualquer coisa te mando meu msn: alinekinlove@hotmail.com
Bjsssss