22 maio 2010

O Retorno ao Lar

Hi there!

Acho que nunca compartilhei com vocês como foi que, de um dia para o outro, passei a cuidar de 2 gatos.

Primeiro, veio o Jake. Um amigo da Swu tinha uma gata branca, que pariu 3 filhotes. Um branco, um cinza e um preto. Filhotes degradé, né? =P
Daí, o pretinho foi o único que ficou sem lar, porque ninguém o queria. Afinal, existem mil lendas sobre isso - que, aliás, são uma grande bobagem, os gatos dessa cor trazem é muita sorte, isso sim. ^^

Jake miúdo.

Depois de umas duas semanas com ele, todos faziam grande esforço para não pisá-lo, pois ele vivia se jogando à nossa frente. Aquela coisinha super pequena, magrinha, que ainda tinha os olhos azuis, queria brincar. Nós não levávamos jeito pra coisa.

Belo dia, eu e minha madre fomos comprar ração para nosso novo filho. No balcão, esperando que o cálculo fosse terminado, avistamos um gato ultra pequeno, caminhando em nossa direção. Ele usava uma coleira vermelha, e andava com certa vagareza.
Na mesma hora, minha mãe se abaixou e o pegou no colo. Ficamos encantadas com tamanha fofura.
O dono da loja perguntou se a gente o queria. Minha mãe disse que sim, mas não podia, porque já tinha um e ia dar briga entre eles. Acabamos por voltar pra casa sem aquele gatinho cinza com branco. 

E essas orelhas tão grandes?

Inconformada, contei para a Swu o ocorrido, logo que retornei. Ela ficou muito curiosa, e conseguiu convencer minha mãe a deixar que voltássemos ao petshop, pelo menos para tentar fazer um acordo com o cara:
"É o seguinte, a gente fica com esse gato por uma semana, se não der certo ele conviver com o Jake, devolvemos. Fechado?"

Ele concordou, mas ainda pagamos pela coleira que ele usava e por uns remédios contra verme que o cara tinha dado a ele.

Ao longo do caminho, as pessoas faziam "owwww" quando viam que eu segurava uma coisinha tão fofa.
Ele veio calmo, e pensamos que seria moleza.

Ledo engano.

Logo o Jake demonstrou que estava insatisfeito. 
Outro gato para disputar a atenção? Nem pensar!!

"Vou te mostrar quem manda aqui!"

Ele atacava, e o Tom (eu que escolhi o nome), fugia.
Minha mãe já foi dizendo que ia devolver, mas eu e a Swu persistimos.
Depois de uma semana, já estávamos tão apegadas a ele, que seria inimaginável nos separarmos.

Pouco tempo depois, a convivência deixou de ser apenas agressiva. Eles passaram a se amar. É, até comentamos que eles são amantes. Hihi.

Teve o dia em que foram castrados, justamente para não ficarem engravidando gatinhas por aí. O Jake sofreu muito nesse dia, mas o Tom parece que nem percebeu. Tudo pra ele é relex. 

Soneca embaixo da cama

Nunca fomos de prendê-los, afinal, é natural para os felinos fazer seus passeios pelos telhados alheios (nossa, que trava-língua!). Mas eles sempre voltam. Se não de noite, logo ao amanhecer. 

O Retorno ao Lar.

Quanto às personalidades, o Jake é mais antissocial, não gosta tanto de ficar na rua. Entretanto, é muito  companheiro. Nunca perdeu a mania de nos seguir, exigir carinho, miar na porta do nosso quarto pedindo para entrar. 

Por sua vez, o Tonzinho é mais folgado, e é também o mais guloso. Adora correr para a rua ao menor descuido (quando alguém vai tirar ou colocar o carro na garagem). Ele é medroso, qualquer ruído o faz dar altos pulos de susto. O que contrasta com seu aguçado instinto de caçador (já chegou com vários passarinhos, calangos, lagartixas e borboletas na boca).

Quando eu comecei a redigir essa postagem, ontem, estava muito triste. O Tom estava desaparecido há mais de 24 horas. 
De repente, eram 3h da madrugada, minha mãe me aparece com ele no colo!
Fiquei surpresa e muito, muito feliz. Daí, para não perder a postagem, saí mudando alguns tempos verbais e adaptei o texto.

Hoje, ele tomou aquele banho. E o Jake acabou tomando também, porque estava precisando. Graças a Deus o Tonzinho não está com nenhum machucado. Chegou faminto, comeu muuuito, e também ingeriu bastante água. 

Minutos depois, já estavam se amando (um lambendo o outro xD) e matando a saudade. 

"Cara, eu te amo!"


Final feliz! ^^


10 comentários:

Elson disse...

Só posso dizer uma coisa...

Oooooooooooooooooooooooooooh.... Que coisa fofa!

^^

Ai faz lembrar da minha Bina, que muitas vezes adorar que eu faça um carinho na cabeça dela...

Tão fofa minha gatinha adoro muito!

Ivu disse...

Adorei a historinha ^^ e eu apoio o matrimônio entre os gatos gays.

Maraysa Carvalho disse...

Gatos não casam, Ivu. Dãrt! =P

(Isso porque eles são modernos, e casar é coisa demodé! xD)

Diêgo Almeida disse...

Eu também posso voltar a casa como o TOM, hien?

Saudades!!!

Ivu disse...

Mas eles não deixam de ser pederastas abusados. ^^

e, pois é, eu mudei o endereço, aí aquela garota se aproveitou... e deu no que deu. foi isso mesmo.

vc acertou a língua, e um equivalente em inglês seria "come closer". :)

R. disse...

Deixei algo pra swu no blog... se puder avisar a ela pra mim... na verdade é pra ti tb, presente de Adeus. -sorriso-

sam disse...

"Um amigo da Swu tinha uma gata branca, que pariu 3 filhotes. Um branco, um cinza e um preto."
Só faltou dizer qual característica é recessiva, qual a expressividade e perguntar qual o tipo de dominância!... Gente, juro que lembrei da minha prova de genética. Unrf.

Historinha de amor bonitinha.
Eu tava querendo adotar uma gatinha pra fazer companhia ao Vince, mas acho que fica pra um dia, no futuro... =T
Beijos, "nana".

Kleiton Gonçalves disse...

No momento tenho oito, além dos visitantes da rua. A casa foi organizada em função deles...

Como é bom ter gatos em casa!

Maraysa Carvalho disse...

Oi Kleiton! Seja bem vindo ao meu espaço. Obrigada pelo comentário, visitei seus blogs e gostei bastante, você escreve muito bem! =)
Volte Sempre!

REARTEsanato disse...

Olá Maraysa,realmente os gatos pretos sofrem,adotei dua fêmeas da mesma forma ,ninguém queria ,Pandora e Pequena ,são de minha filha ,a primeira ela escolheu o nome ,já a segunda,quando chegou a única diferença havia era seu tamanho,por isso o mome...rsrsr Original??!! rsrsr eu as adoro,nunca tive gato,hoje tenho que m controlar para não pegar mais uma.Bjs