23 dezembro 2010

Por que?

Olá, meus queridos amigos e leitores!
Já estou morando em Florianópolis e o tempo que fiquei sem escrever foi muito produtivo. A quantidade de coisas que tenho aprendido é inumerável. Recebi a incumbência de compartilhar com vocês uma boa parte dos conteúdos que me foram passados e aqui vou eu. 

Antes de qualquer coisa, preciso dizer que fiquei muito contente com a repercussão que a postagem anterior alcançou. O objetivo é justamente esse, tocar o coração das pessoas para elas comprovarem que milagres realmente acontecem.

Mas a pergunta que fica no ar é a seguinte: Por que Deus fez um milagre em minha vida?


A resposta envolve vários fatores, mas o principal dentre eles é a Reforma Íntima.

E o que significa isso?

"[...]Colocar em prática a modificação de certas atitudes, pensamentos e emoções negativas.
Revitalizar o ânimo e modificar as imagens do inconsciente que carregam tristeza, rancor, ódio, mágoa e medo são uma maneira de reorganizarmos essas emoções que nos fazem tanto mal. Esse recondicionamento íntimo não se refere apenas ao ganho de virtudes interiores, como amar e perdoar, mas à conquista do comando consciente de nós mesmos e à descoberta dos potenciais que temos na mente, na vontade e na emoção.
Para conseguir isso, não bastam leituras e conhecimentos, é necessária a ação programada e permanente, isto é, disciplina e controle dos impulsos. Caminhar com passos firmes assegurados na fé é imprescindível, utilizar-se da prece durante a jornada é indispensável, mas estar atento ao lema “orai e vigiai” é prudente e de bom senso."*

Na prática, é ainda mais complexo.

Quando me vi diante desse desafio, me questionei porque deveria mudar. Afinal, eu nunca me considerei uma pessoa ruim, imoral, ou algo assim. Então, meu dilema era: porque preciso modificar meu jeito de ser e agir?

Até a data de novembro de 2008 eu era metaleira. Costumava usar muitas roupas pretas, ouvir Rock and Roll e Heavy Metal. Nunca usei drogas ou ingeri bebidas alcoólicas e isso era considerado um paradoxo por muitos que compartilhavam o mesmo estilo. Era uma estudante de idiomas e universitária bem esforçada. Sempre gostei de me engajar em projetos da faculdade e meus pais se preocupavam com minha rotina estressante. Eu tinha uma vida típica de adolescente, saía com meus amigos, fazia coisas normais. 

Quando foi diagnosticado que eu estava com câncer, ouvi comentários do tipo: 
"Por que uma pessoa tão jovem, que nunca fez mal a ninguém, foi ficar com uma doença tão grave como essa?" 

Meus pais, por sua vez, associaram a doença à minha antiga rotina:
"Tá vendo, Mara? Foi querer abraçar o mundo, fazer mil coisas ao mesmo tempo... Todo aquele stress só te fez mal."

Apesar de todas as especulações, nada podia modificar os fatos: eu estava com um tipo de câncer muito agressivo e, no espaço de um ano e três meses, o que não me faltou foi tempo; tempo para refletir acerca dos meus breves 20 anos.

O lado curioso de tudo isso é que eu não sentia falta da minha antiga vida. Quando eu percebi que não era um estímulo suficientemente forte ficar curada para retomar a agitada rotina, perdi a vontade de viver. Ora, para que lutar por algo que não me deixava mais feliz? Tomei a decisão, polêmica, de desistir da vida. Em julho de 2009 eu estava com a ideia fixa de que não sairia viva da sala de cirurgia. Porém, para minha surpresa, não foi o que aconteceu. Eu sobrevivi.

Depois de muitas lágrimas de lamentação, tive de encarar a realidade. Se por algum motivo eu ainda continuava entre os encarnados, minha existência não poderia mais ser como antes. 

Numa determinada noite, todos já estavam dormindo, eu clamei por ajuda. Não contive meu choro ao falar com nosso Criador. Eu pedi a minha cura, de coração e em verdade, e fiz um compromisso com Deus: eu decidi que iria dedicar o resto dos meus dias a ajudar meu semelhante.
  
Como vocês já sabem, ELE me atendeu. Na próxima postagem vou relatar a continuação dessa história.

*Para ler o artigo completo sobre cura espiritual e reforma íntima: clique aqui.

7 comentários:

Elson disse...

Realmente é um tempo que teve muitas complicações não é qualquer pessoa que passa por isso, e ainda aproveitar para refletir, muitas pessoas provavelmente nesse tempo ficariam se mal dizendo, pensando coisas sem nexo, onde não pensam o porque de tudo...

Espero ansioso pela segunda parte beijos minha amiga!

sam disse...

Marakovski do meu coração!
A senhorita está virando uma popstar por aqui, heim =P
aheuauehua
Fico feliz quando o vejo o sucesso dos meus amigos, ó. De uns tempos pra cá, vc tomou o controle da sua vida de um jeito admirável e tá ficando cada dia mais linda ^^
Sempre acompanho suas novidades, ainda sou sua fã, viu.
Não se esqueça dos seus amiguxinhos da Terra do Calor ;****


Aaahhhhhhh, antes que eu esqueça de novo, cadê aquelas fotos que a gente tirou na tua casa? Vc pode mandar pro grupo?

Até, darling.

Adjetivador disse...

....longe dos olhos mas perto do meu coração. Mara, seu lugar em meu coração está em festa por ver o quanto você evoluiu! Nossa, é verdadeiramente surpreendente o que se pode fazer com as oportunidades que nos são chegadas!

Agora sei que posso descansar....

Desejo de coração, poder te abraçar ainda nesta jornada, pq quando formos pra outra eu vou cobrar meu abraço do mesmo jeito! =P

Aline Moura disse...

Olá, moça! Fiquei realmente impressionada com a sua história. Você sempre me passou algo de muito bom. E acho que mesmo longe vai continuar passando. Fique sabendo que apesar de não nos vermos e nem nos comunicarmos mais, eu te considero uma amiga. E tenho certeza que algum dia ainda nos veremos de novo. Boa sorte em sua nova vida.

Anônimo disse...

Oi Maraysa!!! =D
Sou eu, Erich. (Num sei se lembra. hehe)
Li aqui sua postagem e fiquei muito feliz de ter dado tudo certo. Tava na torcida direto.
Pô, tentei foi muito me comunicar contigo, mas não consegui. Num dia aí, já perto do Natal, foi que consegui falar com alguém da tua casa - tua irmã - para te chamar para ir à uma confraternização com algumas pessoas do C7S, mas foi aí que tua irmã me falou q tu tinha se mudado para Florianópolis. Achei ruim você não estar aqui para ter ido, mas agora tô feliz mesmo por está recebendo notícias positivas suas. Feliz 2011. E quando vier por aqui, avisa. ;D Beijos.

Mônica disse...

=)

Anônimo disse...

Estou emocionadíssima ao ler seus relatos, através dele estou encontrando força para vencer o câncer. Você é um milagre!!