25 abril 2011

Diário dos últimos dias

Nota de sugestão: Coloquem os vídeos do final do texto para carregar enquanto leem minha postagem.

Chegou ao fim o feriado da Semana Santa e posso dizer que foi um dos piores da minha vida. Claro que quando eu estava doente nem devo mencionar, pois todos os dias eram difíceis. Mas agora estou curada, graças a Deus, e resolvi fazer uma viagem, à convite de uma amiga muito querida. É válido mencionar que essa amiga é evangélica, mas o fato de nossas crenças não serem as mesmas em nada atrapalhou nosso mútuo bem querer. Devo dizer que essa pessoa foi muito presente enquanto eu estava enferma e ela não tem nenhuma responsabilidade pelo ocorrido traumático. 

Estando nesse local (uma casa de praia), tive a grata surpresa de conviver com pessoas muito gentis, que me trataram bem, mesmo alguns sabendo que eu não partilhava da mesma religião deles.

Porém, infelizmente, algo muito chato aconteceu. Não vou entrar em detalhes, mas quero usar esse meu espaço para argumentar com palavras sábias tudo que, por educação e bom senso, optei por calar. Já aprendi que temos dois ouvidos e apenas uma boca para falar menos e ouvir mais. Mesmo com algumas alfinetadas que tive de suportar humildemente, para não criar atritos, considero burrice deixar de lado algumas respostas que poderiam ser dadas livremente aqui em meu blog, já que também podem ser úteis a quaisquer outras pessoas que, por ventura, venham a passar o constrangimento que passei. 

Quero ainda salientar que, apenas pelo meu blog é que muitas pessoas descobrem que sou espírita, pois não é algo que saio gritando aos quatro ventos: não vejo necessidade. Entretanto, quando me deparo com uma oportunidade  de contar minha história, do milagre que ocorreu em minha vida, sempre aproveito. Deus tem o completo e total mérito pela minha Cura. Independente de qualquer credo, Deus me curou, acredito piamente que ELE não está interessado se eu frequento igreja X ou Y, ELE se importa com o que se passa em nossos corações, e avalia nossas atitudes e intenções. 

Eu mudei muita coisa em mim, sei que ainda tenho muito mais a mudar e isso vai continuar por um longo tempo, é claro, mas as mudanças mais urgentes eu consegui fazer, e creio que era isso que faltava para eu conseguir me libertar daquela doença terrível que me corroía. E, no entanto, eu não ando tentando convencer ninguém a ser espírita, pelo contrário. Eu vejo beleza em praticamente todas as religiões e percebo o quanto elas são necessárias em nossa sociedade, pregando a solidariedade e afastando os jovens dos descaminhos. Longe de mim querer destruir os templos onde predominam a fé em nosso Criador. Se alguém chega a mim pedindo ajuda, pois está doente e quer se curar assim como eu consegui, eu começo sempre dizendo: faça uma reforma interior, mude hábitos errados, pensamentos nocivos e atitudes tóxicas. Toda cura começa por aí. 

Eu falo para alguém se tornar espírita? Não. 

Se a pessoa não tem fé alguma e quer conhecer um pouco do que acredito, eu indico que leia O Que é o Espiritismo, que é bem breve e introdutório ao Livro dos Espíritos. Se o interesse continuar, o livro seguinte é O Evangelho Segundo o Espiritismo. E depois segue com o Livro dos Médiuns, O Céu e o Inferno, A Gênese e Obras póstumas. Esses são os fundamentais da Codificação Espírita, mas tem outros muito importantes também, que devem ser lidos por todos que pretendam se aprofundar no conhecimento da Terceira Revelação. Mas enfim, o que quero dizer com isso é que não ando por aí querendo converter ninguém. Ninguém vai acreditar em Deus ou deixar de acreditar porque outra pessoa assim o deseja. Claro que existem aqueles seres de espírito mais fraco e influenciável, mas mudar totalmente por causa de bons argumentos acho difícil. 

Argumentos servem para que as pessoas fiquem com seus egos inflados em discussões acaloradas, mas pelo menos comigo, se eu tenho certeza absoluta de alguma coisa, eles entram por um ouvido e saem por outro. Só que eu sei reconhecer quando estou errada, e já o fiz várias vezes. Apenas digo que tenho certeza absoluta quando realmente tenho. E se eu estiver exaltada demais para debater um assunto, prefiro me calar a ter que ser rude, pois detesto tratar mal qualquer criatura que seja. 

Por várias vezes já fui chamada de tola, e sei que muitos sapos que engoli devem ter formado um brejo dentro de mim, mas não me importo. Quando me excedo demais, o pior é ter que aguentar o peso na consciência - e isso é bem mais duro do que suportar a confirmação de que deixei de falar quando poderia ter dado umas boas respostas.

Já enrolei demais apenas para dizer que SIM, eu tenho argumentos que se contrapõem aos de quem pensou que eu fiquei calada porque não sabia o que dizer. E vou ditá-los aqui. E tudo porque me dou o direito de usar meu blog para escrever o que me der vontade. Se alguém se incomodar, não precisa ler até o fim, mas não vou deixar de fazer isso. 

Pois bem, não adianta me dizer que na Bíblia está escrito que morremos apenas uma única vez e por isso o conceito de reencarnação está anulado. Será possível que vocês não aprenderam a interpretar corretamente o que está escrito? E mais, será que vocês são tão descansados que aceitam toda essa tradução, sem ao menos parar para pensar que ela foi manipulada por homens (falhos) ao longo de séculos, sendo retirados trechos e acrescentados outros, com o único propósito de obter privilégios perante a humanidade ignorante que, por não ter acesso a outra versão, aceitava submissamente tudo que se dizia? Céus, isso ocorreu há tantos milênios, os pensamentos se modificaram, e as verdades vieram à tona. 

Mas vamos lá, ainda tenho muito a falar, só que nessa postagem vou responder especialmente a uma alfinetada que recebi nesses poucos dias que passei rodeada por pessoas de todos os níveis evolutivos que se pode imaginar. 

Tal pessoa me ditou o seguinte trecho bíblico:

Hebreus 9.27
"E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo..."

Trata-se de apenas uma frase extraída de uma extensa carta de Paulo aos Hebreus. Paulo escreveu muitas cartas de instrução para organizar o movimento cristão.

Mas alguém pode me dizer em quê isso anula a Reencarnação? Ora, é claro que os homens morrem apenas uma vez em cada vida! O espírito permanece. Portanto, é o seu corpo, o envoltório material, que morre, e não o seu espírito. 

Quando um homem morre, depois disso vem o juízo: Claro, é o juízo da nossa consciência, dos atos cometidos naquela vida. 

Acho muito triste alguém basear a sua crença em um versículo. Será que não se consegue ver o quanto essas passagens ditadas com orgulho inflamado por muitos fanáticos religiosos torna a imagem de Deus um tanto quanto cruel? Como Deus poderia ser justo permitindo a existência de cegos, surdos, aleijados, natimortos etc? Aqueles espíritos serão julgados de que maneira se não tiveram as mesmas condições de evoluir? É irracional ignorar que Jesus falou claramente sobre reencarnação quando disse que era necessário nascer de novo a Nicodemos, deixando-o confuso, pois ainda não tinha capacidade para entender o significado daquelas palavras. E quando ele afirmou que Elias voltou mas não o reconheceram (pois era o mesmo espírito, mas não o mesmo corpo material!).

Eu poderia citar muitas outras passagens, mas não vou me dar ao trabalho. Peço que assistam aos vídeos do dr. Severino Celestino da Silva, um grande estudioso das religiões, que analisou as traduções bíblicas e esclarece muitas dúvidas numa entrevista bastante interessante contida em 3 vídeos no Youtube. Assistam, vale a pena! Fico por aqui, abraço a todos!







8 comentários:

Thiago da Cruz disse...

“Religion is an insult to human dignity. With or without it, you'd have good people doing good things and evil people doing bad things, but for good people to do bad things, it takes religion.” - Steven Weinberg

Eu discordo da primeira frase, mas o resto tem muito valor.

Elson disse...

Realmente acho que isso é um problema bem geral para nós espíritas, pois também por uma situação dessas, e acho que boa parte das pessoas que são espíritas também tem esse problemas com essas pessoas que tem essa certa "deficiência" de compreender e respeitar o costume, e a nossa orientação religiosa vamos dizer assim.
Bem acho que pelo menos já contei uma centena de vezes que muito parente meu, e alguns amigos (mas pelo menos os amigos respeitam minha decisão, ou pelo menos preferem não comentar sobre o assunto) sobre minha visão das coisas, acho que já te disse que basicamente sempre fui espírita, mesmo quando não sabia que existia, pois meus pensamento e ideais sempre foram pelo lado do espiritismo, na primeira vez que confrontei esse preconceito tive muita tristeza pois nem se quer sabiam me escutar, só queriam o lado delas na historia, mas hoje pelo menos se tem algo contra o que eu sou, tipo só porque sou espírita eu sou do "demo"? Ou sou besta por acreditar? Ou tantas outras coisas que nos chamam por ai que por acaso vamos dizer um tanto ofensivas?
Bem depois de meditar eu vi que não deveria ligar a decisão é minha se sou ou não espírita, tem meu livre arbítrio para isso e não vou deixar ser manipulado por preconceitos sem nexo de gente que nem conhece nada do assunto!
Bem mas também não podemos esquecer que o próprio Jesus foi também vitima da situação, só porque tinha pensamentos diferentes muitos o julgavam errado sua pessoa, só aqueles que o conheciam e conviveram com ele souberam o tipo de pessoa que ele é, por isso deixem falem, mesmo que seja desagradável de ouvir, pessoas como essa não sabem o que dizem, nem tem curiosidade de saber se é aquilo que eles falam é realmente verdade ou não, preferem viver ouvindo que as outras dizem sem saber se é verdade ou só por puro preconceito, inventam ou dão mais desculpas sobre essa questão.
Para mim essas pessoas estão cegas pelos seus próprias crenças, pois mesmo certas coisas serem errados para eles podem achar certo.
Então não esquenta se eles não aceitam então na próxima vez voce já sabe para onde não ir na Páscoa....

Manuall Feminino disse...

Oi Mara, tudo bom?
te encontrei no site unha bonita e já te segui
se puder passa e segue meu blog:

http://manuallfeminino.blogspot.com/

Conversando com os espiritos disse...

Uma certa vez a espiritualidade me disse que devemos ter muito cuidado com as criticas, pois o Critico, por vigiar e espreitar sem interrupção os problemas alheios, permanece inconsciente e imobilizado em relação a própria aprendizagem evolucional.
Jesus nos diz que devemos ser tolerantes e compreensivos, não só falar, devemos praticar estas palavras. Ser exemplo, lembras disso?.
O bom espirita não tem problema em assistir cultos, qualquer que for, pois todos os caminhos levam a Deus, nao as igrejas ou cultos, porque Jesus nos diz que aonde tiver dois o mais reunidos em seu nome Ele estará presente. Ama teu proximo como a ti mesmo, espirita ou não, te respeite ou não, ele é filho de Deus como vocé, tão certo ou errado como voce.
Todas as situações que se apresentam na vida são para aprender e praticar as ensinanças que fostes aprendendo com os tropeços, lagrimas e algumas alegrias.
Deus te abençoe.
PS. Na codificação espirita faltou O Livro dos Espiritos.

Maraysa Carvalho disse...

Respondendo ao comentário acima, basta ler com atenção que verá o seguinte:
"Se a pessoa não tem fé alguma e quer conhecer um pouco do que acredito, eu indico que leia O Que é o Espiritismo, que é bem breve e introdutório ao Livro dos Espíritos...."

Ou seja, não deixei de citar nenhum da codificação, muito menos o que considero o mais importante, O Livro dos Espíritos. ;)

sam disse...

Essa tua convicção me inspira.
Sério, te admiro muito. Tem uma coisa em ti que me faz tão bem, eu nunca consegui dizer direito...

E, sim, muita saudade, viu. Enorme... maior que o teu post! ;P

Até qualquer dia. O mais breve possível!

(L)

Maraysa Carvalho disse...

Elson: Acho que eu estava um tanto quanto magoada quanto escrevi essa postagem. Já até pensei em exclui-la, por várias vezes. Mas se eu ficar apagando tudo que escrevo e depois repenso se era mesmo necessário, meu blog vai ficar muito menor.

Não vale a pena realmente querer debater religião. É tempo perdido. Ainda mais quando discutimos com pessoas que começam a falar com o intuito de te humilhar. Pelo menos estou satisfeita por, no dia em que fui insultada, me manter calma e calada, apenas dizendo que não entrava em discussões religiosas. É tão estranho isso, sabe? E quando falo do insulto que sofri, não me refiro à essa alfinetada citada na postagem. Falo de outra situação que prefiro nem comentar porque foi muito constrangedora e não é relevante divulgar no blog. Enfim, se todos acreditamos em Deus, sabemos que somos irmãos em espírito, que importa se eu acredito em reencarnação e fulano acha que só temos uma vida e depois vamos para um julgamento final? É questão de bom senso... Com certeza não é tentando converter uma espírita convicta que conseguirão me convencer de que estão "salvos" e eu, por simplesmente não crer no mesmo que eles, estou perdida. o.O
tsc. tsc. tsc.

Bruno disse...

Palmas!

É difícil não rebater argumentos quando são tão carregados de certeza cega, não é? Mas é um verdadeiro exercício de paciência e compaixão. Parabéns, Mariquita. Fico muito feliz de te ver assim, sabia? Continue sorrindo, sempre!

Gasshô!