21 outubro 2011

Por uma vida mais colorida


As pessoas adoram falar mal da vida. 
As pessoas adoram falar da vida - das outras pessoas.

E a vida é apenas a vida, está aí para ser desfrutada. Se fazemos bom uso das nossas aptidões e tornamos nossos dias melhores, parabéns a nós. Em caso contrário, lamentamos não ter a vida do outro, que sempre parece ser mais fácil.

Mas eu não estou aqui para escrever um monte de clichês. Meu intento é tornar um pouco mais colorida a vida de quem, por algum motivo, passou aqui para me visitar.

Você sabe o que fazer quando está vendo tudo em tons de cinza? Dificilmente algum encarnado consegue escapar desses dias, então não se desespere pensando que o problema é apenas com você. Até mesmo aquele conhecido que parece estar sempre alegre, distribuindo sorrisos por onde passa e arrancando gargalhadas com suas proezas tem seus dias de degradê infeliz. Talvez ele não demonstre, ou talvez supere a tristeza com mais facilidade. 

É curioso como algumas pessoas têm pavor de ficar um pouco down, como se isso fosse lhes tirar o brilho. Cada um tem sua forma de enxergar a vida, mas eu duvido que um dia de cortinas fechadas e luzes apagadas seja completamente ruim. Cabe a nós não permitir que esses dias se perpetuem indefinidamente, sem dúvidas. Em alguns casos, se faz necessário pedir ajuda para sair das crises quando não estamos dando conta de fazê-lo sozinhos. Porém, é bastante válido se jogar na cama e ficar vendo filmes o dia inteiro, esquecendo que temos responsabilidades e um monte de coisas pendentes. A cobrança excessiva nos deixa exaustos e, a longo prazo, vai sugando nossa energia de viver. Quando isso acontece é muito grave, então não podemos permitir que a situação chegue a esse nível.

A melhor coisa é seguir o ensinamento "Conhece-te a ti mesmo", só assim saberemos até onde somos capazes de aguentar. Dia desses eu me permiti faltar à aula de sábado e fiquei o final de semana inteiro vendo Grey's Anatomy e filmes. Me distanciei dos livros e cadernos, fingi que nada daquilo me pertencia e me dei férias urgentes. Eu sabia que precisava descansar e o meu maior divertimento é conhecer novas estórias, então não fiquei com peso na consciência - fiz tudo com meu próprio consentimento.

Permita-se esquecer dos problemas por um instante! 
Lembre-se: o que não pode ser resolvido hoje, não será resolvido hoje. 
Se você ficar com a cara enrugada, tentando solucionar algo que não é possível, vai acabar perdendo um tempo precioso, que poderia ser empregado em uma tarefa mais útil. ;-)

E para te causar um estado de ânimo mais empolgado, se é disso que você precisa, não há nada melhor do que Música!

Vamos fazer uma lista de músicas que nos animam? Vou selecionar com calma as melhores, e quem passar por aqui e sentir vontade, faça isso também, vou adorar saber as preferências dos meus leitores! 

Por hoje é só. Até a próxima! =)

09 outubro 2011

Muitas Vidas


Faz uns 3 ou 4 anos que eu vi esse curta-metragem pela primeira vez no Youtube - e gostei bastante:


Nesta semana, reencontrei este vídeo e soube que ele ganhou o primeiro lugar num concurso promovido anualmente pelo Youtube (Project: Direct 2007) e fiquei super feliz, pois é uma estória bonita retratada de modo simples e emocionante. 

Embora não haja nenhuma mensagem argumentativa com o tema Vida Eterna, esse curta ficou conhecido como espírita. Hoje eu o enxergo de modo diferente do que era capaz de entender naquele período e sei que muitas pessoas hão de concordar comigo.

Não importa se você é espírita, se leu a Codificação, se frequenta alguma casa ou centro temático, nada disso. Mesmo sem muito embasamento teórico, a maioria das pessoas carrega consigo uma intuição de que não faz sentido que a morte seja o fim, o prenúncio do Nada. É irracional pensar que, após viver durante décadas lutando para ter o mínimo de dignidade na Terra, nós sejamos recompensados com o nosso próprio pó. Não dá para conceber tal raciocínio, não se acreditamos verdadeiramente na Justiça e Bondade de Deus.

Este curta-metragem, por mais simples que seja, mostra-nos que nunca morremos, apenas nos mudamos. 

Não é lindo? *-*

05 outubro 2011

Feridas no corpo, dores na alma

Por quanto tempo ainda vai resistir?

Abaixei o tom de voz e falei para que somente ele ouvisse:

"Vô, acredita na Justiça Divina. Nós só colhemos o que plantamos e esse sofrimento não é em vão. Tenha fé, o senhor está se depurando para, quando chegar o momento da partida, ir a um lugar muito bonito e especial. Tenha resignação e acredite: tudo vai ficar bem."

Ele concordou com a cabeça e com os olhos, parecendo consciente de cada palavra que eu dizia. Me tranquilizei e senti que fiz o que devia fazer. Mas não foi nada fácil fitar aqueles olhos negros, cheios de dor e tristeza. Já não se escuta o som de sua voz, e seus movimentos praticamente inexistem. É tão doloroso olhá-lo naquele contexto, ele está irreconhecível. 

Fui vê-lo mais uma vez, já não estava com os aparelhos para ajudar na respiração. Porém, o olhar estava ainda mais perdido. Fiz uma pergunta:

"Tá cansado, vô?"

E ele, com um movimento frágil, respondeu que sim.

Perguntei de novo, mas de outra forma:

"Não tá cansado não, né, vô?" 

E aí ele já respondeu que não... =/

Percebi que a entonação de minha voz determinava sua resposta. Isso me deixou arrasada. Claro que não pude transparecer desolação, apenas sorri e peguei na mão dele. Orei baixinho e me questionei se as palavras ditas na visita anterior teriam chegado até seu espírito. A qualquer momento sei que tudo isso vai passar, mas até que passe... Só me resta pedir que Deus tenha misericórdia. 

Agora lembrei das sábias palavras do Pietro Ubaldi, e finalizo a postagem com elas:

"A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória." 

04 outubro 2011

Faz bem



"Mara, você devia voltar a escrever em seu blog. Sinto que te faz bem."

Pois é, eu também sinto. O problema é que eu não sei o que escrever! Tenho uma dezena de assuntos tilintando na caxola, e não sei qual escolher.

Por vezes tenho vontade de retomar a escrita de crônicas, é um hobby antigo de que sinto falta. Não posso deixar que esse espaço deixe de ter a minha cara. Ele deve possuir minhas cores e minhas letras, e não o que alguns podem esperar encontrar aqui. Já me deixei levar por essas interferências anteriormente e foi inacreditavelmente entediante tecer novas postagens. Isso não vai mais acontecer.

Entrei no blogger hoje e tive a agradável surpresa de ver que o Google tem trabalhado para melhorar esse ambiente. Eu já estava enjoada do layout anterior. Agora está muito mais limpo e harmônico.

Decidi dar uma leve alterada no plano de fundo do Coisas da Mara, para ver se me incentiva a escrever mais. 

Por falar nisso, perdi totalmente o estímulo de atualizar o Portal Propaganda e TV, meu antigo blog temático. Ele estava jogado às moscas e eu nem sei porque o mantive por tanto tempo. Publicidade e Propaganda não tem mais nada a ver comigo! Portanto, aquele blog já não existe mais! 

Qualquer coisa que eu tenha vontade de compartilhar será por este meio, que não terá restrições quando ao conteúdo e às abordagens. Não vou mais me preocupar em atender às expectativas de ninguém, a não ser às minhas. O Coisas da Mara já completou 3 anos (!) e, com tantos altos e baixos, eu não poderia simplesmente abandoná-lo. Mais uma vez ele renasce, assim como eu. ;)