31 dezembro 2013

A melhor lição de 2013


Adoro esse clima de fim de ano. Sério, dezembro é o mês que mais amo, porque tem as férias, uma atmosfera festiva, luzes coloridas na cidade, brincadeiras de amigo secreto, e muitos sonhos para o ano que se aproxima. Na prática, é um dia após o outro e os chatos dirão que o Natal é uma invenção do capitalismo para consumirmos mais do que o normal. Mas, honestamente, só os insensíveis não conseguem perceber que acontece algo diferente nessa época do ano. 

Queria que todos os dias as pessoas pudessem desejar algo de bom para as outras, muito mais do que um bom dia. Em dezembro as pessoas desejam Feliz Natal e Feliz Ano Novo com um largo sorriso e bastante naturalidade. Parece que nos outros meses ficamos mais antissociais, ranzinzas, apressados. Até o bom dia esquecemos de desejar, muitas vezes. :|

Hoje é o último dia do ano e eu precisava registrar aqui alguns fatos que marcaram a minha caminhada em 2013: 


~Em junho conheci e comecei a frequentar o Centro Espírita João, o Evangelista (CEJE). Lá fiz amigos muito especiais, me engajei em alguns trabalhos da Casa, fiz cursos, aprendi, tive experiências memoráveis e dei um novo rumo à minha existência. Finalmente deixei de ser uma espírita na teoria e parti para a prática, e sou muitíssimo grata a todos os Espíritos encarnados e desencarnados que contribuíram para meu encontro com esse lugar tão pleno de luz e amor. Não tenho palavras para explicar o quanto cresci e mudei nesse curto espaço de tempo. Acho que nunca conheci tantas pessoas incríveis em minha vida, exemplos de humildade e benevolência que me esforço para seguir todos os dias.  

~Na busca por me encontrar, percebi que eu estava indo por uma trilha que não combinava comigo, focada no ganho salarial. Eu desejei ardentemente passar em um concurso público de altíssimo porte, cheguei inclusive a postar algo sobre isso aqui no blog. Fiz cursinho preparatório, investi rios de dinheiro em materiais e, mesmo com vários colegas enxergando um grande potencial em mim, ao longo dos meses eu fui perdendo a motivação e o interesse pela carreira pública. Ainda procurei outros concursos, li editais de áreas diversas, me inscrevi, fiz provas, mas ainda assim, o ânimo já não existia. Foi então que resolvi buscar a resposta dentro do meu Eu interior e ouvir o que Deus estava falando. Eu já sabia a resposta, só bastava ir adiante. Então, decidi, vou mudar de profissão, não vou pensar em concursos tão cedo, quero dedicar meu tempo a fazer o que eu já faço: ouvir as pessoas. Yes, that's it! Irei falar um pouco mais sobre isso em postagens posteriores. ;)

~Aprendi que uma amizade vale mais do que um ponto de vista e que eu preciso dizer mais vezes que não sou a dona da verdade. Eu sei disso, mas talvez alguns duvidem que eu saiba. Então, é válido enfatizar: não acho que sou melhor que ninguém por ser espírita, e desconfio daquele que disser o contrário. Apenas as ações podem falar sobre a conduta de alguém, jamais suas crenças. E digo mais: somente amizades verdadeiras resistem aos abalos da discordância, bem como são esses abalos que acabam por fortalecer os laços.     

~Não lembro se já falei aqui sobre minha dificuldade em demonstrar afeto. Eu tenho muito amor dentro de mim, mas nem sempre consigo deixar isso claro - o que é bem frustrante. Neste ano, porém, algo mudou. E foi na véspera de Natal que eu percebi que já tinha mudado, apenas não tinha me dado conta. Estava eu e mais uma centena de pessoas no centro da cidade, cantando músicas e vibrando positivamente. Era a 34ª edição da Caravana do Natal e nosso intuito era distribuir alimentos, roupas, brinquedos, calçados e mensagens natalinas para os moradores de rua. Eu cheguei bem cedo, com alguns amigos, e aos poucos outros conhecidos foram chegando. A cada rostinho familiar que eu encontrava, corria para abraçar. Abracei inúmeras pessoas ali - com vontade, com verdade. E foi então que ouvi algo que fez meu coração transbordar de alegria: Mara, como seu abraço é bom! Outros disseram a mesma coisa e isso me fez um bem indescritível. Logo eu, que sempre abracei com receio, que nunca queria incomodar, estava recebendo o prêmio de melhor abraço. :') Nada poderia me deixar mais feliz!


2013 foi um ano que me trouxe grandes ensinamentos, mas o que guardo com mais carinho são as pessoas que apareceram e certamente irão permanecer. Finalmente eu sinto que minha vida está no ritmo que deveria estar. Tenho mais serenidade, paciência, bom humor e sonhos, muitos novos sonhos!

Se você, querido leitor, estivesse aqui pertinho, ganharia um abraço apertado e um sincero voto de que, em 2014, sua vida seja, no mínimo, fabulosa!