11 outubro 2015

Um brinde

Um brinde aos amores que não foram e nunca serão:
Reais, concretos, diretos, sinceros.
Amores que nunca sequer foram amores, pois não passaram de ilusão.
Amores jamais declarados, apenas pensados e continuamente imaginados.

Nunca foi amor, e nem mesmo paixão, era só carência - com tudo de ruim que vem com ela.


Um brinde ao ciúme, à ideia de possuir aquilo que jamais iremos ter. Um brinde a essa loucura de desejar alguém de forma tão patológica que chega a ser doloroso. E tudo fica meio cinza, porque sabemos que aquele ideal de amor jamais sairá do imaginário. Já sabemos a resposta antes de perguntar. Acorda, não vai rolar. Desencana, não é pra ser. Sai dessa vibe de querer quem não te quer.

É hora de ter um amor de verdade. Será?
Não, talvez ainda nem seja a hora... O momento agora é de aprender a se amar. O amor-próprio ainda é o melhor amor, e você aí, querendo preencher o seu vazio com alguém.

Levanta do chão, entenda que esse sentimento vai passar, como os outros sempre passaram. Tenta ser mais cautelosa na próxima vez, ok?

Nenhum comentário: